segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

LEONARDO DICAPRIO - un seul oscar et SURTOUT une seule planète!

À Paris:
«Des centaines de chefs d’Etat mais aussi… des dizaines de people. Nombreuses sont les stars à avoir répondu présentes, à Paris, pour défendre la protection de l’environnement, dans le cadre de la conférence pour le climat (COP21).»
MERCI: http://www.leparisien.fr/laparisienne/actu-people/en-images-leonardi-dicaprio-sean-penn-les-stars-de-la-cop21-06-12-2015-5344297.php

 À Hollywood,
un discours engagé de Leonardo DiCaprio après son premier Oscar:


Le discours inattendu et engagé de Leonardo DiCaprio après son premier Oscar
MERCI: Le Huffington Post 


Na Ferreira, Semana da Leitura 2016 - LIRE...



«La lecture, une félicité qui se mérite.»

EMILE OLLIVIER

«Lorsque les mots perdent leur sens, les gens perdent leur liberté.»
CONFUCIUS

«Une bibliothèque, c'est un des plus beaux paysages du monde.»
JACQUES STERNBERG
  

«Si Dieu existait, il serait une bibliothèque.»

UMBERTO ECO


 «Lire est une route sur laquelle nous avançons.»
PIERRE DUMAYET
«La lecture commence les yeux fermés.»
YVON RIVARD
«Chaque lecture est un acte de résistance.»
«Le temps de lire, comme le temps d'aimer, dilate le temps de vivre.»
DANIEL PENNAC
«Une bibliothèque est une chambre d'amis.»
TAHAR BEN JELLOUN

domingo, 28 de fevereiro de 2016

LIMZI - Dessinez-le avec des fleurs...

SUPERBE! 
Quand les fleurs s'invitent sur le papier, la sensibilité fleurit...
José Maria Laura

















Lim Zhi Wei, who goes by the pseudonym and childhood nickname Limzy is a Malaysian visual artist. She grew up in her hometown Kota Kinabalu, Sabah and later moved to Singapore at the age of 16. She was a fine art graduate of Nanyang Academy of Fine Art Singapore (NAFA) of year 2011, majoring in Western Painting and a recipient of the NAFA Full Scholarship during her studies in the college.
After graduation, she began teaching children’s art full time. It was the time when she got driven by how children view the world differently, and inspired by the materials she used to teach in class. She found that she had minimal time to create her own work, hence making full use of little objects she found around her home and class.
Multidimensional in her talents, Limzy is highly regarded in the fields of visual arts, digital and social media.
MERCI: http://lovelimzy.com/

sábado, 20 de fevereiro de 2016

UMBERTO ECO (1932 - 2016)



Umberto Eco: "Informação demais faz mal"

O escritor italiano diz que a internet é perigosa para ignorante e útil para o sábio – ela não filtra o conhecimento e congestiona a memória do usuário

LUÍS ANTÔNIO GIRON| DE MILÃO


PROFESSOR O pensador e romancista italiano Umberto Eco.  Ele desconfia  da internet (Foto: Eric Fougere/VIP Images/Corbis)



















(Entrevista originalmente publicada na revista ÉPOCA em 2011)
O escritor Umberto Eco vive com a mulher num apartamento duplo nos 2° e 3°andares de um prédio antigo, de frente para o Palácio Sforzesco, o mais vistoso ponto turístico de Milão. É como se Alice Munro morasse defronte à Canadian Tower em Toronto, Haruki Murakami instalasse sua casa no sopé do Monte Fuji ou então Paulo Coelho mantivesse uma mansão na Urca, à sombra do Pão de Açúcar. “Acordo todo dia com a Renascença”, diz Eco. A enorme fortificação diante de suas janelas foi inaugurada pelo duque Francisco Sforza no século XV e está sempre lotada de turistas. O castelo deve também abrir seus portões pela manhã com uma sensação parecida. Diante dele, vive o intelectual e romancista mais famoso da Itália. 

Um dos andares da casa de Eco é dedicado ao escritório e à biblioteca. São quatro salas repletas de livros, divididas por temas e por autores em ordem alfabética. A sala em que trabalha é pequena. Abriga aquilo que ele chama de “ala das ciências banidas”, como ocultismo, sociedades secretas, mesmerismo, esoterismo e bruxaria. Ali estão as fontes principais dos romances de sucesso de Eco: O nome da rosa(1980), O pêndulo de Foucault (1988), A ilha do dia anterior (1994),Baudolino (2000), A misteriosa chama da rainha Loana (2004) e O cemitério de Praga. Publicado em 2010 e lançado com sucesso no Brasil em 2011, o livro provocou polêmica por tratar de forma humorística um assunto sério: o surgimento do antissemitismo na Europa. Por motivos diversos, protestaram a Igreja Católica e o rabino de Roma. A primeira porque Eco satirizava os jesuítas (“São maçons de saia”, diz o personagem principal, o odioso tabelião Simone Simonini). O segundo porque as teorias conspiratórias forjadas no século XIX – como a fraude que ficou conhecida como Os Protocolos dos Sábios do Sião – poderiam gerar uma onda de ódio aos judeus. Desde o início da carreira, em 1962, com o ensaio estético Obra aberta, Eco gosta de provocar esse tipo de reação. Parece não perder o gosto pelo barulho. De muito bom humor, ele conversou com ÉPOCA durante duas horas sobre a idade, o gênero que inventou – o suspense erudito –, a decadência europeia e seu assunto mais constante nos últimos anos: a morte do livro. É difícil de acreditar, mas aquele que era visto como o maior inimigo da leitura pelo computador está revendo suas posições. Ele diz agora que está até gostando de ler livros pelo iPad, que comprou durante sua última turnê pelos Estados Unidos, em dezembro.
ÉPOCA – Como o senhor se sentiu após completar 80 anos?
Umberto Eco –
 Bem mais velho! (risos) Vamos nos tornando importantes com a idade, mas não me sinto importante nem velho. Não posso reclamar de rotina. Minha vida é agitada. Ainda mantenho uma cátedra no Departamento de Semiótica e Comunicação da Universidade de Bolonha e continuo orientando doutorandos e pós-doutorandos. Dou muita palestra pelo mundo afora.

ÉPOCA – O senhor tem sido um dos mais ferrenhos defensores do livro em papel. Sua tese é que o livro não acabará. Mesmo assim, estamos assistindo à popularização dos leitores digitais e tablets. O livro em papel ainda tem sentido?
Eco – 
Sou colecionador de livros. Defendi a sobrevivência do livro ao lado de Jean-Claude Carrière no volume Não contem com o fim do livro. Fizemos isso por motivos estéticos e gnoseológicos (relativo ao conhecimento). O livro ainda é o meio ideal para aprender. Não precisa de eletricidade, e você pode riscar à vontade. Achávamos impossível ler textos no monitor do computador. Mas isso faz dois anos. Em minha viagem pelos Estados Unidos, precisava carregar 20 livros comigo, e meu braço não me ajudava. Por isso, resolvi comprar um iPad. Foi útil na questão do transporte dos volumes. Comecei a ler no aparelho e não achei tão mau. Aliás, achei ótimo. E passei a ler no iPad, você acredita? Pois é. Mesmo assim, acho que os tablets e e-books servem como auxiliares de leitura. São mais para entretenimento que para estudo. Gosto de riscar, anotar e interferir nas páginas de um livro. Isso ainda não é possível fazer num tablet.
ÉPOCA – Apesar da evolução, o senhor vê a internet como um perigo para o saber?
Eco – 
A internet não seleciona a informação. Há de tudo por lá. A Wikipédia presta um desserviço ao internauta. Outro dia publicaram fofocas a meu respeito, e tive de intervir e corrigir os erros e absurdos. A internet ainda é um mundo selvagem e perigoso. Tudo surge lá sem hierarquia. A imensa quantidade de coisas que circula é pior que a falta de informação. O excesso de informação provoca a amnésia. Informação demais faz mal. Quando não lembramos o que aprendemos, ficamos parecidos com animais. Conhecer é cortar, é selecionar. Vamos tomar como exemplo o ditador e líder romano Júlio César e como os historiadores antigos trataram dele. Todos dizem que foi importante porque alterou a história. Os cronistas romanos só citam sua mulher, Calpúrnia, porque esteve ao lado de César. Nada se sabe sobre a viuvez de Calpúrnia. Se costurou, dedicou-se à educação ou seja lá o que for. Hoje, na internet, Júlio César e Calpúrnia têm a mesma importância. Ora, isso não é conhecimento.
ÉPOCA – Mas o conhecimento está se tornando mais acessível com a internet. O senhor não acha que o acesso a bancos de dados de instituições confiáveis altera nossa noção de cultura?
Eco – 
Sim, é verdade. Se você sabe quais os sites e bancos de dados são confiáveis, você tem acesso ao conhecimento. Mas veja bem: você e eu somos ricos de conhecimento. Podemos aproveitar melhor a internet do que aquele pobre senhor que está comprando salame na feira aí em frente. Nesse sentido, a televisão era útil para o ignorante, porque selecionava a informação de que ele poderia precisar, ainda que informação idiota. A internet é perigosa para o ignorante porque não filtra nada para ele. Ela só é boa para quem já conhece – e sabe onde está o conhecimento. A longo prazo, o resultado pedagógico será dramático. Veremos multidões de ignorantes usando a internet para as mais variadas bobagens: jogos, bate-papos e busca de notícias irrelevantes.
ÉPOCA – Há uma solução para o excesso de informação?
Eco –
 Seria preciso criar uma teoria da filtragem. Uma disciplina prática, baseada na experimentação cotidiana com a internet. Fica aí uma sugestão para as universidades: elaborar uma teoria e uma ferramenta de filtragem que funcionem para o bem do conhecimento. Conhecer é filtrar.
"A internet ainda é um mundo
selvagem e perigoso. A imensa quantidade de coisas que circula  é pior que
a falta de informação" 
    


quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

MÁRIO CRUZ - 1º prémio WORLD PRESS PHOTO


“Ninguém vê o que se está a passar.” Mário Cruz viu
SÉRGIO B. GOMES
18/02/2016 

O repórter Mário Cruz ganhou o primeiro prémio de Temas Contemporâneos do World Press Photo, o concurso de fotojornalismo mais importante do mundo. Com Talibés, Modern-day Slaves quer mostrar (e denunciar) uma forma de escravatura contemporânea que envolve crianças de vários países africanos.